Radiologia Odontológica DigitalTomografia Computadorizada Odontológica Cone Beam

DOSE DE SABEDORIA #38

FOV no âmbito da Tomografia Cone Beam: Campo de Visão Menor

                O campo visão de pequena captura em uma região definida pelo operador, geralmente igual ou inferior a 10 cm de altura (no esquema é representado S e S+  apresentado na imagem 1).

                                    

As imagens a seguir são casos que foram adquiridas no aparelho Carestream CS 8100 3D alta resolução de 0,75µm (micras) e FOV 5×5 e 5×10, que permite visualização áreas anatômicas reduzidas e com detalhes precisos e com maior nitidez.

Caso 1: Estudo de anatomia para planejamento de dente incluso:

Imagem 2 – Cortes MPR para visualização e estudo do dente 18 e do supranumerário localizado na região de túber da maxila direita, área previamente analisada clinicamente pelo clínico.

Imagem 3 – cortes MPR.

Imagem 4 – Cortes oblíquos

Nas imagens 3 e 4 apresentam os dentes 12 e 13, com aumento do folículo pericoronário. A TCFC proporcionou a localização espacial dos dentes citados para o planejamento da intervenção clínica.

Caso 2: Estudo em endodontia:

Imagem 5 – Cortes MPR que pode visualizar a perfuração na região do terço apical da face mesial da estrutura radicular, no qual podemos observar o extravasamento do material obturador e osteólise do tecido ósseo adjacente a área descrita.

Imagem 6 – Cortes MPR para estudo do dente 16 com condutos na presença de material obturador e visualização de lima fraturada localizada além limite apical da raiz palatina.

Imagem 7 – Cortes MPR e reconstrução 3D com visualização do canal lateral na região próxima ao terço apical e face vestibular do dente 11, na ausência de material obturador. Nota osteólise do tecido ósseo na região periapical com reabsorção da tábua óssea vestibular.

Imagem 8 – Cortes MPR para estudo de trinca∕fratura radicular no dente 47. Observa-se com uma seta verde e na sigla Lhd 47 imagem de traço hipodenso com perde de tecido ósseo vertical no terço cervical da raiz mesial (condutos MVe ML), com diagnóstivo favorável de linha de trinca∕fratura radicular.

Nota a redução do artefato oriundo do efeito “hard beam” devido a presença de materiais hipedensos; tal fato ocorre devido o aparelho Caretream CS 8100 3D apresenta alta resolução e o software EVOL possuir filtros para a redução dos artefatos e permite imagens para um melhor diagnóstico.

Caso 4: Estudo para instalação de implante ou avaliação pós instalação em uma região determinada região:

Imagem 9 – Cortes oblíquos para medição do rebordo alveolar da crista óssea ao assoalho da cavidade nasal e das tabuas ósseas vestibulares para palatina na região dos dentes 11 e 12.

Imagem 10 – Cortes oblíquos com mensuração da crista óssea do rebordo alveolar a cortical superior do canal mandibular e das tábuas ósseas vestibular e lingual da região posterior direita da mandíbula para instalação de implantes. A sigla FM em verde é o forame mentual.

                 Assim, imagens tomográficas oriunda de tomógrafos de FOV menor com voxel menor permitem uma maior nitidez das características que compõem o tecido ósseo do complexo maxilo mandibular a ser estudo por solicitação do clínico e∕ou especialista.

 


VEJA O POST ANTERIOR “FOV no âmbito da Tomografia Cone Beam: Campo de Visão Grande”

 

Dose de Sabedoria por: Dra Ana Luiza Riul, Dr. Luis Fernando Jardim e Dra. Patrícia Jardim

Siga nossas REDES SOCIAIS