Radiologia Odontológica DigitalTomografia Computadorizada Odontológica Cone Beam

DOSE DE SABEDORIA #61

https://netzei-cms-s3.s3.amazonaws.com/a6125a1c3773c37a4e6b7a8f0c73035a72a12c2d%2F4733%24mito.png O que é Radiação?

 

Radiação nada mais é do que a emissão de energia sob a forma de ondas eletromagnéticas ou partículas. Todas as radiações eletromagnéticas tem a mesma propriedade física. A diferença entre uma radiação X e o Sol é a diferença energética. Os raios X são ionizantes porque são muito mais energéticos que a luz visível e o Sol (Imagem 1).

Espectro eletromagnético: definição e exercícios - Mundo Educação

Imagem 1 – Esquema de tipo de energia eletromagnética. A direção da seta verde indica aumento no poder energético.

Os raios X são um tipo de radiação artificial, produzidos por equipamentos com ampolas de Coolidge acionadas por circuitos de alta e baixa tensão. Ele depende da rede elétrica, se não estiver ligado a uma tomada, não será produzido, assim. Não são originado pela fissão de núcleo atômicos instáveis, isto seria  radiação gama (tal como as usinas nucleares). Portanto, raios-X não é RADIOTIVIDADE!

Os raios X, sendo radiação artificial, só são produzidos enquanto o botão do equipamento é acionado. Sendo onda eletromagnética, se propaga na velocidade da luz e não se “acumula” no ambiente e perde sua intensidade com a distância. Ou seja, como a luz visível, ao “desligar” o botão, a luz se apaga. Assim são os raios X, são produzidos naquele instante, atravessam os corpos e em um pouco menos de 2 metros de distância já não tem mais o poder de penetração e ionização.

Um indivíduo irradiado por raios X NÃO fica contaminado e não propaga radiação a quem estiver por perto.

 

Com os equipamentos disponíveis hoje no mercado, temos doses de radiação cada vez mais reduzidas.

Abaixo segue algumas situações e sua respectivas doses de radiação:

Abaixo, algumas situações e suas respectivas doses de radiação: 

 

A exposição média por pessoas proveniente de fontes naturais é de 2,4mSv/ano (CRTR*).

A dose de radiação de uma radiografia periapical é de 0,001 a 0,008mSv.

A dose de radiação de uma radiografia panorâmica é de 0,026 a 0,030mSv.

A dose de radiação de uma teleradiografia é de 0,02 a 0,03 mSv.

A dose de uma tomografia odontológica volumétrica (cone beam) é de 0,034 a 0,652mSv.

A dose de radiação de uma tomografia computadorizada de tórax é de 5,8mSv.

A dose de radiação de um vôo de Nova York a Los Angeles é de 0,040mSv (CNEN**)

*CRTR = Conselho Regional de Técnicos em Radiologia 

**CNEN = Comissão Nacional de Energia Nuclear

 

Assim, como no esquema acima uma radiografia panorâmica tem dose de radiação de 0,026 a 0,030mSv e uma tomografia Cone Beam varia de 0,034 a 0,654mSv

Para analisarmos a proporção da incidência de radiação em odontologia, vamos comparar com a incidência da radiação incidente em um voo entre Nova Iorque e Los Angeles:

Capturar

 

Pelo desenho acima, podemos perceber que, ao realizar uma radiografia intrabucal, recebemos 7x menos radiação do que ao voar de Nova Iorque à Los Angeles


 
VEJA O POST ANTERIOR!
Dose de Sabedoria por: Dra Ana Luiza Riul, Dr. Luis Fernando Jardim e Dra. Patrícia Jardim

Siga nossas REDES SOCIAIS